29 abril 2020

Coronavírus


Eu de novo por aqui, depois de mais de mês. Cada semana que passa, sinto mais vontade e saudade de publicar aqui. O blog é, sem a menor das dúvidas, o meu espaço favorito no mundo. Essa plataforma revela muito sobre mim, e se estou sumida por aqui, é porque estou completamente perdida no mundo real. A verdade é que a quarentena bagunçou a minha rotina, a minha cabeça, e tudo o que estava em seu devido lugar agora está muito bem escondido, ou perdido, ou no meio da bagunça total que a minha vida se tornou. Esse vírus mundial e ainda mortal açoita todos os meus pensamentos positivos.

Às vezes, confesso, tenho medo de morrer, de faltar ar para mim. Eu que fui fumante por anos, que mal consigo subir dois lances de escada sem ofegar. Às vezes apenas fico pensativa quanto a morrer, afinal, é a Mãe Natureza fazendo o seu papel, há muita gente no planeta, pergunto-me se mais do que ele pode suportar. Conforto-me sobre a morte, tenho apenas 20 anos! Estou bem de saúde, tento dizer a mim mesma. Sabendo que tem gente próxima de mim que não está.

O noticiário me arrepia, não há muito que possamos fazer quanto a pandemia, mas façamos a nossa parte permanecendo em nossas casas, pois temos o privilégio de ter uma. Eu procuro me manter ocupada, mas tem dias que não há nada que me tire do tédio. Cochilos da tarde têm se tornado rotineiros, coisa que nunca imaginei antes na vida. Mas não hei de ser pessimista, estou desenhando bastante, dando chance a novas leituras, estudando latim e francês, escrevendo no meu diário e até fui presenteada com uma câmera Canon da minha mãe que estava guardada há algum tempo.

Permito-me dizer que eu não estou legal, mas aos poucos vou ficar, e a esperança de que tudo isso vai passar e que logo as coisas vão voltar ao normal é o que me move a continuar fazendo o que deve ser feito. Eu sinto muito as mortes dos entes queridos que partiram com essa doença, e lamento o atual governo que conspira contra as nossas vidas. Parabenizo todos os médicos do mundo que estão atuando contra a COVID-19, inclusive a minha mãe, que continuam trabalhando todos os dias, equipados tanto quanto soldados para nos cuidar e salvar nossas vidas, e em troca pondo em risco a deles.

Com o argumento reconfortante de que tudo vai passar, e com o pedido clichê que todos estão cansados de ouvir de "Fique em casa", encerro a minha postagem. Eu espero que vocês estejam bem, ou que fiquem bem em breve! Um grande beijo e até a próxima postagem.

20 março 2020

Outono

  

Hoje é o primeiro dia de outono, espero que a nova estação traga tempos melhores para todos. Não está fácil viver em quarentena, e o frio que está por vir deveras me preocupa. Acompanhada da minha mãe e com uma tesoura em mãos, nós fomos a procura de galhos silvestres para fazer um buquê e por em um vaso com água para enfeitar a casa e deixá-la com cara da nova estação.

01 fevereiro 2020

We ♥ Lana

Esses dias eu estava aleatoriamente na internet quando me deparei com o site WeIt, que há muito tempo eu já não lembrava da existência. De cara a logo do site me fez lembrar da época em que eu e minha irmã adorávamos passar tempo "heartando" (dando coração) nas fotos que a gente mais gostava.

De tanto procurar, encontrei o meu perfil antigo (@georgeacome). E, para a minha surpresa, a conta tem quase 7 anos! Eu lembro que em 2013 era muito difícil encontrar fotos diferentes ou atualizadas da Lana. Quando você jogava o nome dela no Google, sempre apareciam as mesmas fotos. Eu stalkeava muito todos os dias a procura de imagens novas para salvar na pastinha que eu tinha no computador. Aí eu conheci o WeIt e lá tinha fanarts, montagens, edições e outras fotos que eu ainda não tinha visto.

Ainda me lembro da minha foto favorita daquela época, mas também me lembro de tentar desenhá-la inúmeras vezes, até eu desistir e aceitar que não podia representar tanta beleza em uma folha de papel. 

Imagem de lana del rey, rose, and red

Essa é a postagem de hoje.
Apenas nostalgia e uma dose de amor a Laninha,
um beijo para vocês ♥